Organização Mundial da Saúde

Banco Mundial

Governo do Estado de São Paulo

Link externo:

http://apps.who.int/iris/bitstream/10665/70670/9/WHO_NMH_VIP_11.01_por.pdf

Mais de um bilhão de pessoas em todo o mundo convivem com alguma forma de de!ciência, dentre os quais cerca de 200 milhões experimentam di!culdades funcionais consideráveis. Nos próximos anos, a de!ciência será uma preocupação ainda maior porque sua incidência tem aumentado. Isto se deve ao envelhecimento das populações e ao risco maior de de!ciência na população de mais idade, bem como ao aumento global de doênças crônicas tais como diabetes, doenças cardiovasculares, câncer e distúrbios mentais. Em todo o mundo, as pessoas com de!ciência apresentam piores perspectivas de saúde, níveis mais baixos de escolaridade, participação econômica menor, e taxas de pobreza mais elevadas em comparação às pessoas sem de!ciência. Em parte, isto se deve ao fato das pessoas com de!ciência enfrentarem barreiras no acesso a serviços que muitos de nós consideram garantidos há muito, como saúde, educação, emprego, transporte, e informação. Tais di!culdades são exacerbadas nas comunidades mais pobres. Para atingir as perspectivas melhores e mais duradouras do desenvolvimento que integram o núcleo das Metas de Desenvolvimento do Milênio de 2015 e ir além, devemos capacitar as pessoas que vivem com de!ciência e retirar as barreiras que as impedem de participar na comunidade, de ter acesso a uma educação de qualidade, de encontrar um trabalho decente, e de ter suas vozes ouvidas. Como resultado, a Organização Mundial da Saúde e o Grupo Banco Mundial produziram em conjunto este Relatório Mundial sobre a De!ciência para proporcionar evidências a favor de políticas e programas inovadores capazes de melhorar a vida das pessoas com de!ciência, e facilitar a implementação da Convenção das Nações Unidas sobre os Direitos das Pessoas com De!ciência, que entrou em vigor a partir de Maio de 2008. Este importante tratado internacional reforçou a nossa compreensão da de!ciência como uma prioridade de direitos humanos e de desenvolvimento. O Relatório Mundial sobre a De!ciência sugere ações para todas as partes interessadas – incluindo governos, organizações da sociedade civil, e organizações de pessoas com de!ciência – para criar ambientes facilitadores, desenvolver serviços de suporte e reabilitação, garantir uma adequada proteção social, criar políticas e programas de inclusão, e fazer cumprir as normas e a legislação, tanto existentes como novas, para o benefício das pessoas com de!ciência e da comunidade como um todo. As pessoas com de!ciência devem estar no centro de tais esforços. A visão que nos move é a de um mundo de inclusão, no qual todos sejamos capazes de viver uma vida de saúde, conforto, e dignidade. Convidamos você a utilizar as evidências contidas neste relatório de forma a contribuir para que esta visão se torne realidade.

Dra. Margaret Chan Diretora General Organização Mundial da Saúde

Sr. Robert B. Zoellick Presidente Grupo Banco Mundial